fbpx

Dia: 5 de abril de 2021

[Argentina] Amor livre, Eros e Anarquia A.N.A.
Notícias Ativistas

[Argentina] Amor livre, Eros e Anarquia A.N.A.

O anarquismo reivindicava absolutamente liberdade e autonomia. Esta nota tem a ver com as concepções anarquistas de casamento, união livre, liberdade da mulher e sexualidade. Por Nilda Redondo O anarquismo não admitia ordens superiores ou instituições que significassem opressão; foi assim que rejeitou o Estado, a ideia de um Deus ou ser superior, os patrões. Tudo o que emanava do Estado era considerado opressivo e repressivo: escola, casamento, polícia, justiça, eleições, parlamento. Sua sociedade utópica surgiria quando, catastroficamente, o mundo seria dilacerado através, por exemplo, de uma greve geral, e uma nova sociedade baseada em comunidades autônomas e baseada na solidariedade dos livres surgiria. Eles também rejeitaram a ideia da nação porque ela unia o que estava em desacordo: ...
[Chile] “É nosso dever impedir o crescimento desses grupos” A.N.A.
Notícias Ativistas

[Chile] “É nosso dever impedir o crescimento desses grupos” A.N.A.

O Clan Celta (Clã Celta) que começou como um grupo de treinamento para jovens da ultra-direita para combater grupos antifascistas e anarquistas tinha entre seus membros mais conhecidos “Tito Van Damme”, condenado por assassinato há alguns anos e que é um dos fundadores do atual Movimento Patriótico Social (MSP). Atualmente vários membros do Clan Celta compõem as fileiras do MSP liderado por Pedro Perez Kunstmann, atual candidato a prefeito da Isla de Maipo. Consideramos atualmente dentro da variedade de grupos fascistas o MSP como o mais perigoso (puramente político), uma vez que eles foram articulados em até mesmo pequenas células em todo o país fazendo propaganda e algum trabalho social, e ainda conseguiram levantar uma candidatura para prefeito. É nosso dever expor este grupo e o que e...
[Espanha] Redescobrir Bakunin, como a filosofia transcendental alemã ocultou o pensamento revolucionário A.N.A.
Notícias Ativistas

[Espanha] Redescobrir Bakunin, como a filosofia transcendental alemã ocultou o pensamento revolucionário A.N.A.

A atual crise do sistema parlamentar, nas mãos de uma casta política profissional aflita pelo cesarismo e a serviço de interesses econômicos espúrios, torna a figura de Mikhail Bakunin surpreendentemente atual, um personagem histórico do socialismo operário cuja vida quase nova, seu amor pela liberdade, seu exemplo de perseverança e sua análise original da realidade social de seu tempo, fazem dele uma referência atraente do radicalismo contemporâneo. Além dos clichês habituais como o de “pai” do anarquismo, conspirador inveterado ou oponente ferrenho de Marx, assim que ele for estudado objetivamente, os estereótipos serão abandonados e ele será colocado no lugar de destaque do pensamento revolucionário que lhe corresponde. O salto de um jovem idealista russo da filosofia especulativa para...