Teia dos Povos

A Teia dos Povos é uma articulação de comunidades, territórios, povos e organizações políticas, rurais e urbanas. Extrativistas, ribeirinhos, povos originários, quilombolas, periféricos, sem terra, sem teto e pequenos agricultores se juntam, enquanto núcleos de base e elos, nessa composição com o objetivo de formular os caminhos da emancipação coletiva. Ou seja, construir solidariamente uma Aliança Preta, Indígena e Popular. Conheça em: https://teiadospovos.org/

A sociedade colombiana está na panela de pressão… e está apitando
Notícias Ativistas, Teia dos Povos

A sociedade colombiana está na panela de pressão… e está apitando

*Por Sebastian Henao | Foto: El Retorno No final de março, o governo do presidente da Colômbia, Iván Duque, do partido Centro Democrático (mesmo do ex-presidente Álvaro Uribe Vélez), enviou ao Congresso a terceira reforma tributária de seu governo, argumentando que o orçamento público do país teria fluxo de caixa apenas até o final de maio. A proposta, segundo o governo, além de aliviar as finanças públicas nacionais, também buscaria o financiamento dos programas sociais de alívio econômico durante a pandemia. O problema: a Reforma propunha um aumento geral ao imposto ao consumo (IVA), tanto das alíquotas quanto no volume de bens a que se aplicaria o imposto – por exemplo nos combustíveis e produtos da cesta básica e também a retirada de subsídios a serviços como a luz elétrica para os la...
Colômbia irrompe em protestos e derrota governo de ultradireita
Notícias Ativistas, Teia dos Povos

Colômbia irrompe em protestos e derrota governo de ultradireita

Foto de Alfredo Molano Jimeno Texto de Raúl Zibechi | Publicado originalmente em Sputnik | Traduzido pela Coletiva Língua A greve convocada para 28 de abril contra a reforma tributária do presidente Iván Duque (de ultradireita, aliado de Álvaro Uribe) foi o estopim para as ondas de indignação por toda a Colômbia, nas grandes e pequenas cidades, nas áreas rurais e urbanas, entre os setores populares e as classes médias. Nesse mesmo dia 28, as marchas foram gigantes, mas o que ninguém esperava é que continuassem e crescessem nos quatro dias seguintes, para completar cinco dias de mobilizações massivas, protagonizadas por jovens que não passaram pela guerra de cinco décadas e transcendem a polarização social. Mas a repressão desencadeada pelo Escuadrón Móvil Anti Disturbios (ESMAD) foi ...