Chile: A batata quente muda de mãos

Mas o que a vitória eleitoral da esquerda significa para os movimentos autônomos?

No fim de semana de 15 a 16 de maio de 2021, eleitores de todo o Chile escolheram delegados para participar da convenção que redigirá uma nova constituição para o país. A direita foi derrotada nessas eleições, mas nenhum partido institucional de esquerda obteve a maioria. A mídia corporativa está anunciando isso como uma vitória para a política “independente” – mas o que isso significará para os movimentos autônomos que deram impulso aos políticos de esquerda em primeiro lugar? Na análise a seguir, nosso correspondente no Chile explora a tensão irreconciliável entre a política de representação e a política de ação direta.


A vitória eleitoral da esquerda não institucional no Chile é o mais recente desdobramento de uma história que se arrasta há anos, desde a “Maré Rosa” que levou políticos de esquerda como Luiz Inácio Lula da Silva ao poder no Brasil até a vitória do Syriza na Grécia seguindo os movimentos de 2011. Em cada um desses casos, os fracassos da política de direita e de centro abriram caminho para essas vitórias eleitorais. Mas os partidos de esquerda têm lutado para cumprir suas promessas, e ainda mais políticos de extrema direita os sucederam – Bolsonaro no Brasil, Nova Democracia na Grécia. Como os movimentos sociais horizontais podem navegar a situação decorrente das vitórias eleitorais de esquerda, de forma a garantir que suas perspectivas não estejam vinculadas ao destino dos partidos políticos e dos governos?

O Chile tem um histórico de ação direta antigovernamental de direita, o que complica ainda mais as coisas. Em uma época em que o poder do Estado é como uma batata quente que pode queimar quem o detém, mesmo nos momentos em que parece que a ordem governante foi derrotada, devemos olhar para o futuro e nos preparar para a próxima rodada.


Parte I: Fragmentação no Aparelho de Estado

Antes do referendo constitucional de outubro passado, apresentamos as seguintes reflexões sobre a próxima onda de campanhas eleitorais:

Embora o aniversário de um ano da revolta chilena esteja se aproximando rapidamente, não temos certeza do que o futuro reserva em Santiago. Vimos o discurso em torno desse movimento mudar de um movimento pela dignidade a um movimento contra a constituição herdada da ditadura de Pinochet. Em 25 de outubro, uma semana após o aniversário da revolta chilena, os chilenos votarão em um referendo nacional para decidir se realizam uma convenção para reescrever a constituição herdada de Pinochet. A esquerda institucional é rápida em culpar a constituição atual pelos males da sociedade – é uma forma de desviar a atenção de como os arranjos institucionais entre a ditadura e sua oposição criaram essa situação … quando suplantaram os milhares que lutaram bravamente contra os militares e a polícia em as ruas para se tornarem os líderes designados da oposição de Pinochet.

Consequentemente, nosso conflito atual coloca a nova comunidade de revolta contra o estado e sua oposição institucional. Essa luta determinará se a revolta chilena será para viver a vida com dignidade ou perpetuar os arranjos institucionais que nos alienam de nossas experiências, nossas histórias e uns dos outros. Apesar das formas como a suspensão dos protestos tornou a comunidade da revolta invisível, vemos sua presença em todos os lugares … Os movimentos nas ruas têm um papel maior do que apenas “proteger marchas de rua” ou pressionar qualquer funcionário público que passe pelas portas giratórias da governança do estado. Servem para criar as condições para que outras idéias se consolidem, para que outras possibilidades se enraízem.

A Eleição Constitucional

O fim de semana de 15 a 16 de maio de 2021 viu uma mega-eleição em que os eleitores de todo o país escolheram entre os candidatos que competiam a prefeitos, representantes do conselho municipal e delegados à convenção que redigirá uma nova constituição para o Chile. Isso foi originalmente planejado para 15 de abril, mas os partidos políticos concordaram em adiar a eleição por um mês e mantê-la por mais dois dias, em resposta à segunda onda da pandemia COVID-19 no Chile.

As assembleias de bairros e organizações sociais que participaram dessas eleições enfatizam três princípios básicos sobre como a governança política deve funcionar no Chile:

1.) Soberania popular: Mudar o sistema político para fazer o governo refletir os interesses do cotidiano dos chilenos e não da classe política (tanto de esquerda quanto de direita) que até agora governou por meio de arranjos institucionais. Responder às demandas sociais de longa data que até agora não foram atendidas.

2.) Poder popular: os políticos devem representar os interesses dos movimentos sociais, as organizações sociais não institucionais por meio das quais os chilenos cotidianos articulam suas demandas sociais.

3.) Autonomia territorial: Mudar o sistema político centralizado que dá muito mais poder ao governo nacional às custas dos municípios locais que têm uma conexão imediata com os chilenos comuns.

Nos meses que se seguiram ao referendo, partidos políticos e organizações sociais elaboraram listas de candidatos e fizeram campanha nessas eleições. As organizações sociais tiveram a oportunidade de atuar como partidos políticos, criando suas próprias placas eleitorais para a convenção constitucional e realizando suas próprias primárias para escolher os candidatos a prefeito.

A direita tinha certeza de que obteria o terço total dos votos necessários para obter o poder de veto na convenção constitucional. Em entrevista concedida em fevereiro passado, o secretário de Estado, Jaime Bellolio, afirmou que, nas eleições para determinar quem participará do processo de estabelecimento de uma nova constituição chilena,

“Acreditamos que vamos vencer por 3 a 0: Vamos Por Chile vai ser a lista mais votada, vai ser a lista que vai conseguir o maior número de constituintes, e vai ser a lista que por si só terá 1/3 dos constituintes. ”

Não foi assim que as coisas aconteceram.

  • Vamos por Chile: a coalizão de Sebastián Piñera de partidos políticos de centro-direita e Pinochetista.
  • Apruebo Dignidad: A chapa composta pelo Partido Comunista Frente Amplio e suas organizações sociais afiliadas.
  • “Apruebo”: formado por la Concertación, a coalizão de partidos políticos de centro-esquerda que chegou ao poder após a ditadura de Pinochet.
  • Del Pueblo: uma coalizão de candidatos independentes, muitos deles afiliados a organizações sociais sem vínculos com partidos políticos.
  • Nueva constitución: uma coalizão de candidatos independentes com afiliações a partidos políticos que não concorreram às eleições em seus partidos políticos.
  • Outros (otros): 13 independentes que concorreram como delegados por seu distrito sem qualquer vínculo com uma lista oficial.
  • Povos Indígenas (indígenas indígenas): Os 17 assentos de delegados reservados para os povos indígenas do Chile, eleitos em uma votação especial disponível apenas para membros reconhecidos de uma das nove nações indígenas do Chile.

Enquanto muitas assembléias de bairro se organizavam para promover seus próprios candidatos, as assembléias anarquistas tentavam ler a situação presente e determinar nossa posição neste terreno institucional mutante. Antes da megaeleição do último fim de semana, as tendências anti-institucionais presumiram que o seguinte ocorreria:

1.) Haveria baixa participação nas pesquisas, o que distorceria os votos a favor da direita.

2.) O direito ganharia pelo menos um terço dos assentos na convenção constitucional, permitindo-lhes bloquear quaisquer mudanças institucionais importantes.

De fato, houve um baixo comparecimento: apenas 43% dos eleitores elegíveis foram às urnas. Mas mesmo que esse baixo comparecimento sinalize a falta da “participação popular” que a esquerda institucional associa a seus princípios de soberania popular e poder popular, a direita sofreu uma grande derrota nas eleições. Além disso, nenhuma coalizão de partidos políticos obteve poder de veto, pois os candidatos independentes conquistaram 42% das cadeiras na convenção. A mídia corporativa aqui no Chile apresentou “os independentes” como os principais vencedores da eleição da convenção constitucional, um bloco político emergente do estallido social (a “explosão social”, ou seja, o levante de 2019) Mas esses independentes não são uma coalizão composta – eles são uma colcha de retalhos de diferentes lousas, diferentes candidatos de diferentes organizações sociais e diferentes histórias de atividade política no Chile.

Isso cria uma situação única em que não há um único partido político ou líder que represente a totalidade dos movimentos sociais.


“Tia Pikachu.”

Vencedores notáveis ​​na eleição de delegado constitucional incluem “Tia Pikachu”, uma motorista de ônibus escolar de 43 anos em Santiago, que se tornou um ícone dos protestos na Plaza Dignidad e ganhou uma cadeira na convenção constitucional na “lista del pueblo” ardósia e Machi Francisca Linconao, defensora dos direitos humanos e líder espiritual mapuche.1


Oficialismo versus Oposição, “A Classe Política” versus “O Povo”

Alguns anarquistas sugeriram que, no século 21, o poder do estado é uma batata quente – argumentando que, porque a globalização neoliberal tornou difícil para as estruturas do estado mitigar o impacto do capitalismo, nenhum partido será capaz de manter o poder do estado por muito tempo sem perder credibilidade. De acordo com essa teoria, tendências alternativas e práticas políticas podem florescer, desde que sejam capazes de se apresentar como oponentes da ordem dominante, mas essas tendências tendem a perder o apoio popular, uma vez que são reduzidas a plataformas políticas que os políticos podem reivindicar representar, ou outra coisa se tornaria associada – certa ou erradamente – ao partido do governo.

No Chile, os partidos políticos dominantes não conseguiram se firmar na convenção constitucional porque todos apresentavam visões de gestão de crise tecnocrática, que foi desacreditada pelo levante chileno e a pandemia COVID-19.

Mais pessoas participaram da eleição presidencial de 2017 do que da eleição de maio de 2021. Em 2017, o atual presidente, Sebastián Piñera, venceu com 53% dos votos. Os apoiadores de Piñera apontaram para a crise política e econômica da Venezuela, ameaçando que o Chile poderia enfrentar os mesmos problemas se se desviar de seu caminho neoliberal. Eles também mobilizaram temores anti-imigrantes: quase dois milhões de imigrantes, a maioria deles da Venezuela, fugiram para o Chile a fim de escapar de crises econômicas em outros lugares. A direita avisou que uma vitória da Frente Ampla (uma coalizão de esquerda relativamente recente) ou o partido socialista transformaria o país em uma “Chilezuela” com inflação galopante, alto desemprego, evaporação de fundos de pensão, agitação social e mercearias vazias, declarando que a única maneira de garantir um futuro estável era aderir às políticas neoliberais de direita.

O espectro de “uma ‘Chilezuela’ com inflação galopante, alto desemprego, evaporação dos fundos de pensão, agitação social e mercearias vazias ”.

Ironicamente, a realidade de uma instável “Chilezuela” se materializou sob o governo de direita. Enquanto a revolta provou que havia uma desilusão generalizada com o modelo neoliberal do Chile, a resposta do Estado ao COVID-19 mostrou que ele era incapaz de responder à crise. Até agora, a principal forma de alívio econômico do governo tem sido permitir que os chilenos retirem 10% de suas pensões privadas administradas pelo estado (AFP). Em junho de 2020, ocorreram os primeiros grandes protestos desde o início da pandemia COVID-19, quando as pessoas exigiram que o governo aprovasse essas retiradas; o governo aprovou duas retiradas em junho e dezembro. Em abril de 2021, o congresso procurou aprovar uma terceira retirada e Piñera fez tudo ao seu alcance para bloqueá-la.

A direita tinha cadeiras no Congresso suficientes para bloquear a votação. Se o congresso fosse aprovado, Piñera poderia contestar o congresso na Suprema Corte, que muitos temiam que ficaria do lado dele. No entanto, depois de aparentemente considerar o índice de aprovação abismal de Piñera (cerca de 15%) e as próximas eleições, mais de dois terços do Congresso aprovou a lei, incluindo muitos representantes do partido de Piñera. Nesse mesmo dia, Piñera falou na TV, ao lado dos dois candidatos presidenciais de direita mais promissores, Joaquín Lavín e Evelyn Mathei, anunciando que contestaria o congresso no Supremo Tribunal Federal. Uma semana depois, o Supremo Tribunal decidiu contra Piñera e aprovou a lei.

O sistema de governança do Chile historicamente investiu uma grande quantidade de poder no ramo executivo do governo federal; isso é anterior à constituição de Pinochet de 1981. Não importa o quanto os políticos da coalizão do partido governante tentem se distanciar do presidente, seu sucesso nas eleições está vinculado às ações e políticas do presidente. No início da pandemia COVID-19, o presidente Piñera declarou estado de emergência, introduzindo restrições à movimentação e montagem e concentrando ainda mais poder no Poder Executivo.

O fracasso do governo em recuperar a revolta e as crises econômicas e sociais que acompanharam a pandemia permitiram que a oposição ganhasse poder ao mostrar a fragilidade do sistema neoliberal do Chile. Enquanto o índice de aprovação de Piñera despencava e seu índice de desaprovação disparava, a coalizão de partidos de direita se fragmentou quando seus políticos tentaram se apresentar como uma oposição a Piñera. Isso se mostrou fútil, pois suas visões políticas estavam atreladas ao modelo neoliberal que falhou em oferecer estabilidade durante as ondas de crise que começaram em 2019.

Ao mesmo tempo, a oposição política também estava associada ao modelo tecnocrático de governança que preservou o neoliberalismo no Chile durante anos após a ditadura de Pinochet. Amplamente vistos como integrantes da mesma classe política dos partidos que detêm o poder, esses políticos representam o paradigma da “transição para a democracia” que buscou manter a estabilidade reformando lentamente as políticas da ditadura. Buscando acordos bipartidários, desenvolvendo políticas informadas por especialistas formados em universidades, eles representavam a promessa de que o Estado poderia diminuir progressivamente os catastróficos efeitos sociais do modelo neoliberal.

Ao mesmo tempo que provaram estar desligados das “demandas sociais” do levante social, também se tornaram irrelevantes ao não bloquear nenhuma das políticas “oficialistas”. Quando Piñera exigiu a aprovação do Congresso para estender o estado de emergência após um ano, a oposição criticou suas políticas, mas mesmo assim aprovou a prorrogação. Esses partidos de oposição esperavam por maior alívio financeiro e assistência social – em particular, verificações de estímulo e controles de preços (que são inconstitucionais, mas poderiam, em teoria, ser implementados durante um estado de emergência). No entanto, o governo executivo recusou-se a implementar a maioria dessas propostas. A cada passo do caminho, a oposição falava sobre como administraria a crise se estivessem no poder ou se a constituição de 1981 fosse alterada. Contudo,

Antes do Estallido Social, a coalizão Frente Amplio foi o garoto-propaganda da nova esquerda chilena, apresentando uma visão de política eleitoral que rompeu com a oposição institucional. Esta coalizão surgiu do movimento estudantil de 2011, especificamente o movimento Autonomista,que buscou quebrar o papel de comando do Partido Comunista Chileno sobre os movimentos sociais. Sua plataforma política deveria ser informada ouvindo-se os movimentos sociais de base do Chile, e não os tecnocratas. Seus representantes no Congresso deveriam representar a base de seus partidos, apenas votando no Congresso de acordo com o consenso dos membros do partido. Seus membros seriam membros ativos de movimentos sociais e atividades autônomas de bairro, a fim de manter o dedo no pulso das questões sociais que seus representantes eleitos poderiam abordar. A coalizão ganhou 20% dos votos presidenciais em 2017 e elegeu dois ex-líderes do movimento estudantil para o congresso, Gabriel Boric e Giorgio Jackson.

No entanto, em vez de crescer em popularidade como a voz representativa da revolta, como tais partidos fizeram na Grécia e em outros lugares, o partido quase entrou em colapso nos meses seguintes a outubro de 2019. No auge do levante, enquanto o Partido Comunista e outros partidos de esquerda recusado a negociar com a extrema direita, Boric foi contra o consenso de seu partido em assinar o “Acordo de Paz e uma Nova Constituição”. Posteriormente, ele votou a favor da lei “Anti-barricada, Anti-saque, Anti-máscara e Anti-ocupação de terras”, que aumentou as penas para as ações diretas que foram centrais à revolta chilena. Consequentemente, milhares de militantes da Frente Amplio e organizações sociais cortaram laços com a coalizão. Ex Frente Amplio militantes contam que foram perseguidos em seus bairros e cuspidos em assembleias.

Esta imagem de Gabriel Boric sentado com a direita para anunciar “Acordo para a Paz e uma Nova Constituição” tornou-se um meme, aparecendo em resposta a quaisquer mensagens que os políticos da Frente Amplio façam nas redes sociais.

A ascensão de candidatos independentes nesta eleição é uma rejeição direta às contradições da nova esquerda chilena, na qual jovens políticos afirmam representar o poder popular e os movimentos sociais, mas votam contra esses mesmos princípios. Dos candidatos independentes eleitos para a convenção constitucional, muitos eram militantes de partidos políticos que deixaram a Frente Amplio e membros de organizações sociais que decidiram que só poderiam ganhar o poder político conquistando seus próprios assentos no cargo. Outros eram ativistas que nunca haviam confiado na política eleitoral até agora, mas consideram esta convenção constitucional a primeira vez na história chilena que os políticos e a elite chilena puderam ser impedidos de redigir a constituição.

A nova alternativa é representada pelos vários blocos independentes que venceram as eleições para delegados constitucionais. De muitas maneiras, isso representa uma tentativa de desenvolver uma política eleitoral para retrabalhar o estado em resposta aos fracassos vistos na Venezuela, Bolívia e outros países que vivenciaram a chamada “Maré Rosa”, a onda eleitoral de esquerda vitórias no início do século XXI. Para os de esquerda, nenhuma figura central ou partido político representa as esperanças e os desejos do atual momento de mudança. Para a elite política e a direita, parece que não haverá um regime de esquerda contra o qual boicotar ou exigir intervenção estrangeira.

O recém-eleito prefeito do Partido Comunista de Santiago.

Eleições para prefeito

Apesar da crise de legitimidade do sistema político chileno, algumas pessoas têm mantido mais fé na política municipal. A esquerda tem buscado ganhar poder nas eleições locais, ostensivamente para desafiar as políticas do governo nacional quando elas vão contra a vontade dos habitantes locais. Os centros metropolitanos do Chile – Santiago, Viña del Mar e Valparaíso – elegeram ou reelegeram prefeitos de esquerda. As vitórias desses candidatos se deram por se apresentarem como instrumentos dos movimentos sociais chilenos. Antes das eleições para prefeito, o Partido Comunista e as organizações sociais propuseram uma eleição primária alternativa, chamada “Alcaldia Constituyente”, na qual as cidades podiam votar em candidatos a prefeito apresentados por organizações sociais e partidos políticos. O baixo comparecimento nesta primária tornou-se um meme em Santiago, com fotos de seções eleitorais vazias circulando nas redes sociais. Mesmo assim, a candidata do Partido Comunista e atual vereadora, Irací Hassler, venceu as primárias e depois venceu a eleição para se tornar o primeiro prefeito comunista de Santiago nos últimos tempos.

Banner no Parque Forestal, Santiago, onde se lê “Chega de gás lacrimogêneo, você está nos envenenando!”

Hassler derrotou o atual prefeito de Santiago, Jorge Alessandri, um oponente ativo dos protestos semanais na Plaza Dignidad e dos vendedores informais nas ruas de Santiago. Nas primeiras semanas do Estallido Social, as assembleias de bairro proliferaram em Santiago. Hassler, já na Câmara Municipal de Santiago, esteve ativamente envolvida em sua assembleia no Parque Forestal, um bairro adjacente à Plaza de la Dignidad. O atual prefeito, Jorge Alessandri, coordenou ativamente com a polícia para militarizar a Plaza Dignidad,expondo os moradores diariamente a gás lacrimogêneo, balas de borracha e veículos blindados que atacam os manifestantes pelas ruas. Em entrevistas, Hassler enfatizou consistentemente a brutalidade policial diária que ameaçava os vizinhos na área, o que representava mais risco do que o espectro da delinquência a que Alessandri continuava a aludir.

Quando movimentos anti-Estado se tornam vinculados a novas instituições governamentais

Por enquanto, os membros da esquerda institucional estão se perguntando as seguintes questões em relação à estratégia política: Como podemos impedir a ala direita de construir poder e influenciar a governança? Que novas formas de governança podem permitir que o novo sistema político responda melhor às crises?

Mas deveríamos nos fazer perguntas diferentes: que papel a força autônoma e ingovernável desempenhará nos conflitos e nas crises sociais? Como podemos nos preparar para agir de forma diferente das tendências autônomas do passado, que não conseguiram romper com a esquerda institucional e acabaram caindo na irrelevância?

Ao examinar as falhas de governos de esquerda anteriores que também afirmavam representar “o povo”, podemos aprender mais sobre o mundo confuso de apegos, heresias, lealdades e clientelismo. O problema do entusiasmo com a convenção constitucional é que ela pode nos distrair de tudo o que podemos fazer fora do terreno da política (representacional), enquanto a estrutura conceitual que ela presume também nos deixa despreparados para o que os movimentos de direita podem fazer fora do terreno da política (representacional). O risco é que deixemos a direita ganhar impulso como a nova força “anti-estado” (com todas as ironias já banalmente familiares da era Trump),

Examinar como empregar a ação direta em conflitos sociais em curso garantirá que continuemos a ter meios para afirmar posições autônomas em um terreno que, de outra forma, confinará cada vez mais as soluções para a crise a um quadro de governança nova e aprimorada.

Sabotagem visando um caminhão madeireiro na zona rural do Chile.

Nos centros metropolitanos, é fácil esquecer que as indústrias extrativas são a base da economia chilena: mineração, plantações industriais de madeira e pesca industrial. No interior do Chile, essas indústrias estão em um conflito de décadas com as comunidades indígenas locais, que buscam recuperar suas terras e impedir os danos desastrosos que essas indústrias têm infligido a seus territórios. Desde a década de 1990, as comunidades Mapuche têm se voltado cada vez mais para a ação direta para exercer a autonomia territorial. Após décadas de promessas fracassadas de que reformas institucionais ajudariam as comunidades Mapuche a recuperar suas terras e limitar o impacto ecológico das indústrias, vários movimentos de ocupação de terras começaram. Algumas delas começaram com os participantes realizando cerimônias e eventos na terra usurpada, em seguida, construir casas e plantar plantações lá. Todos os anos, mais atos de sabotagem destruíram o equipamento madeireiro de empresas florestais, mais protestos rurais barricaram estradas madeireiras rurais e mais caminhões madeireiros foram sequestrados por ladrões de estradas anônimos armados.

Como o conflito sobre a devastação ecológica e a propriedade tende a continuar no interior do Chile, as comunidades Mapuche continuarão a agir diretamente, em vez de esperar pelas prometidas reformas institucionais. Em resposta, mesmo sem representação no governo, a extrema direita poderia ganhar poder no interior, utilizando a ação direta em prol de seus próprios interesses.

Por exemplo, depois que um motorista de caminhão foi ferido durante um assalto à mão armada, os maiores sindicatos de caminhões do Chile declararam uma greve para exigir maior proteção governamental na zona rural do Chile. Durante sete dias, os caminhoneiros bloquearam o transporte de cargas em todas as rampas de acesso à rodovia Pan-americana em Araucanía, bem como em outros trechos rurais dessa rodovia. Nas cidades rurais chilenas bloqueadas pela greve, os supermercados ficaram sem produtos básicos e os postos de gasolina racionaram o combustível. Ao mesmo tempo, os caminhoneiros em greve dão uma festa na rodovia em meio à pandemia de COVID-19. Vídeos que circularam online mostraram os trabalhadores em greve dançando com strippers que contrataram para comparecer à festa.

greve dos caminhoneiros 

Tanto os povos indígenas quanto a esquerda chilena denunciaram os caminhoneiros como direitistas, sexistas e potencialmente fascistas. Nessa avaliação, eles estavam corretos. Mas no cerne da crítica esquerdista estava uma condenação ao duplo padrão do governo de direita: brutalizar os manifestantes na Plaza Dignidad, mas deixar os caminhoneiros em greve em paz. Enquanto os carabineros empregavam toda a força à sua disposição para reprimir qualquer protesto social na Plaza Dignidad, o governo nacional encerrou a greve atendendo às demandas dos motoristas e garantindo maior policiamento em uma região já militarizada.

Em vez de desenvolver uma estratégia de como se envolver em conflitos sociais como esses fora da política eleitoral, a esquerda imagina que esses problemas desaparecerão assim que a nova constituição chilena for criada. Por trás da crítica à greve de direita está a realidade de que a esquerda, embora condene o estado por não reprimir os movimentos sociais de direita, não tem estratégia sobre o que fazer quando grupos usam o poder da interrupção logística para empurrar a direita. as demandas da asa por serem ingovernáveis. Enquanto os delegados esquerdistas na convenção constitucional imaginam uma sociedade chilena que reconhece suas dívidas aos povos indígenas e põe fim à violência policial desenfreada contra as comunidades indígenas, eles não têm uma estratégia para responder aos grupos de direita que usam o poder econômico para prevenir tal reformas sociais.

Um protesto em Los Lagos, Chile, contra a indústria do salmão.

Em parte, isso ocorre porque o sonho de um futuro sistema político chileno que responda às demandas dos movimentos sociais pressupõe que os movimentos sociais sempre serão inerentemente antineoliberais e inerentemente “do povo”. Popular. Mas quem são as pessoas? Como vimos no brasil e em outras partes do mundo, a extrema direita também pode crescer por meio de movimentos sociais que reivindicam representar “o povo”. Descartar movimentos sociais como a greve dos caminhoneiros como de direita e no interesse da elite econômica fornece um álibi fácil para não confrontar questões difíceis com respostas complexas. Por exemplo, presume-se que a nova constituição deve garantir a segurança dos trabalhadores e os direitos indígenas – mas o que acontece quando os trabalhadores afirmam que os indígenas estão ameaçando sua segurança? Por que os trabalhadores continuam a adotar políticas de direita quando um novo governo no poder está tentando representar seus interesses?


Parte II: Riscos e oportunidades

Alguns dos possíveis futuros emergentes desta eleição.

Risco: uma direita não institucional que aproveita o poder econômico

Se não desenvolvermos uma estratégia de como nos engajar em conflitos sociais fora da política eleitoral, corremos o risco de nos deixar com poucas táticas ao enfrentarmos os conflitos sociais que indubitavelmente ocorrerão fora dos novos arranjos institucionais. A noção esquerdista da greve trabalhista – alavancando o poder econômico da classe trabalhadora – não aborda a escala da força econômica e de trabalho que a elite também pode alavancar quando empurrada para fora das instituições políticas.

O perigo é que, após a convenção constitucional, os movimentos de esquerda e autônomos abandonem o terreno da ingovernabilidade e da crise econômica para a direita. Vemos como, na Venezuela, as sanções econômicas impostas e a guerra de ricos empresários contra o regime de Chávez aumentaram o sofrimento generalizado, mostrando a fragilidade do governo na hora de responder à crise por elas gerada e efetivamente reduzindo o leque de possibilidades ao double bind de chavista ou anti-chavista – uma catástrofe para os movimentos autônomos horizontais. Em vez de aceitar pelo valor de face a promessa de uma sociedade melhor sob uma constituição nova e aprimorada,

Os anos Allende oferecem um exemplo óbvio disso. Kissinger declarou que acabaria com o regime de Allende fazendo gritar a economia chilena. As regiões metropolitanas do Chile morreram de fome quando a coalizão de forças anti-Allende interrompeu a logística do país. Isso não foi apenas o resultado de sanções econômicas e políticas internacionais bloqueando as importações do país. Os alimentos também deixaram de chegar aos centros metropolitanos, os produtos básicos ficaram nos armazéns e as importações ficaram presas nos portos. A direita cresceu em poder com cada greve trabalhista de extrema direita associada a sanções econômicas, apresentando o desemprego galopante, o racionamento de bens básicos e o aumento das lutas diárias pela sobrevivência como um sinal da ilegitimidade política do socialismo.

Existem várias razões pelas quais os trabalhadores dessas indústrias se aliaram a seus empregadores em vez do governo de Allende. Muitos simplesmente decidiram apoiar o lado mais poderoso que, segundo eles, garantiria melhor sua segurança pessoal em meio à crise econômica do país. As normas de relacionamento patrono / cliente perduram no Chile; para alguns trabalhadores, era uma aposta mais segura manter o patrocínio de seu empregador do que buscar o patrocínio do governo nacional. Alguns trabalhadores receberam recompensas imediatas por apoiarem seus empregadores; outros temiam a retribuição de seus empregadores. Essas greves trabalhistas apresentaram uma situação complexa em que alguns sindicatos desorganizaram a economia para exigir o fim de um governo que representava ostensivamente “seus interesses”.

O sucesso dessas greves mostrou que a fachada de “poder político” via representação no estado chileno significava pouco em comparação com o poder econômico que os interesses capitalistas conseguiram alavancar por meio de rupturas logísticas. Em Hinterland, Philip Neil argumenta que a ênfase esquerdista em novos modelos de representação popular – popular entre os habitantes de centros metropolitanos – falha em considerar a compreensão do poder no sertão e, por sua vez, abre espaços para a cooptação de extrema direita:

“O verdadeiro avanço político visível na extrema direita – e o que tornou possível sua ascensão – é o foco pragmático nas questões de poder, que são religiosamente ignoradas pelo esquerdista americano, que em vez disso se concentra na construção de programas políticos elaborados e utopias ornamentadas , como se a política fosse o exercício da imaginação. É esse foco na construção de poder em meio à crise que distingue o partidário do esquerdista, e o juramento é a atual forma organizacional de partidarismo ”.

A estratégia constitucionalista, ao prometer segurança futura com a condição de que as pessoas se sacrifiquem no presente, é a mesma estratégia adotada pelos políticos anteriores da ordem institucional neoliberal. Embora atualmente a direita chilena tenha sido abalada devido à sua associação com a política estatal da era Pinochet, uma reforma institucional massiva poderia criar as condições para o direito de adotar as ferramentas da ruptura econômica mais uma vez, beneficiando-se de uma era em que não é. difícil mobilizar as pessoas contra o partido no poder.

Segundo Neil, “ao oferecer incentivos materiais que garantam a estabilidade, aliados a ameaças de coerção aos que se opõem a eles, esses grupos tornam-se capazes de tornar a população cúmplice de sua ascensão, independentemente de posições ideológicas”. Assim como a crise criou as condições para uma convenção constitucional ao expor a fragilidade da ordem institucional anterior, a crise também criará as condições para o crescimento da extrema direita não institucional ao expor a fragilidade da nova política institucional.

E a batata quente mudará de dono novamente.

Risco: Intensificação do sistema policial e carcerário

Na tensão irreconciliável entre a política de ação direta e a política de representação, enfrentamos o perigo de que uma futura ordem constitucional perpetue a mesma política de “lei e ordem” que produziu o atual aparato policial no Chile. Até agora, o estado manteve a estabilidade em meio à escalada de conflitos sociais, militarizando a polícia e expandindo o sistema carcerário.

Sebastian Pinera apresentando o comando da selva, uma força policial especial treinada na Colômbia.

Por exemplo, a partir do início dos anos 2000, o governo nacional expandiu radicalmente o aparato policial na “zona vermelha do conflito Mapuche”. Por meio de protocolos racialmente discriminatórios, a polícia começou a deter sistematicamente ativistas e líderes comunitários Mapuche. Isso criou as condições para a polícia chilena deter ou assassinar inúmeros jovens mapuche, como no caso de Camilo Catrillanca, morto em 2017. Eles começaram a prender mapuches por meses ou anos antes de seus julgamentos, por meio de reformas judiciais racistas que normalizaram a “prisão preventiva ”Contra suspeitos que foram apresentados como ameaças à segurança pública. Durante o Estallido Social, a polícia e os tribunais chilenos adotaram esse mesmo sistema de detenção preventiva, com a consequência de que milhares de prisioneiros da revolta ainda estão na prisão aguardando julgamento.

A convenção constitucional prevê um futuro arranjo político chileno que reduza o conflito social ao finalmente ceder às antigas demandas sociais do movimento social.

Das demandas da revolta, a demanda para libertar todos os presos políticos é provavelmente a mais polêmica. Dias depois de sua vitória eleitoral na convenção constitucional, a lista “del pueblo” anunciou que não negociaria com a direita até que todos os prisioneiros da revolta estivessem livres. Outros exigem que todos os presos políticos Mapuche presos sob o atual sistema judicial discriminatório também sejam libertados como uma condição da convenção constitucional. Afinal, a oportunidade atual de reescrever a constituição chilena é em parte consequência da ação política corajosa e militante desses presos políticos. Além disso, se o Chile deve reconhecer e pagar sua dívida para com os povos indígenas, isso inclui o desmantelamento de seu racismo judicial sistêmico contra o povo Mapuche encarcerado por sua luta pela autonomia.

Em agosto de 2020, manifestantes em uma marcha de solidariedade aos presos políticos Mapuche ocuparam a Prefeitura de Curacautin, Araucania. Mais tarde, uma multidão enfurecida os despejou com violência.

Mais uma vez, este projeto constitucional de libertação de presos políticos e desmilitarização da polícia chilena como uma concessão às demandas dos movimentos sociais não inclui uma estratégia sobre como a política constitucional deve abordar a ação direta em busca das demandas de direita. Contra as políticas de representação, a filosofia central da ação direta é que é possível alavancar o poder econômico e social para forçar governos ou instituições públicas a ceder às demandas. Não deveria ser surpresa se, diante da menor proteção policial de sua propriedade e vendo seus inimigos de longa data serem libertados da prisão, a extrema direita utilize a ação direta para perseguir seus próprios planos.

Diante dessa estratégia, parece inteiramente plausível que um novo arranjo político pudesse optar por manter o mesmo aparato policial e judicial como uma concessão à extrema direita – ou mesmo como uma forma pretendida de controlar a violência da extrema direita (como vemos os democratas no Estados Unidos clamando por fazer em resposta aos eventos de 6 de janeiro ) – enquanto afirmam se preocupar profundamente com suas dívidas históricas para com os povos indígenas e prisioneiros políticos. Os governos do Syriza, na Grécia, e Dilma Rousseff , no Brasil, fizeram exatamente isso, abrindo caminho em ambos os casos para a repressão aos movimentos sociais que os apoiavam originalmente.

Em uma crise política desencadeada pela escalada de ações diretas tanto da direita quanto da esquerda – como ocorreu, por exemplo, no Brasil em 2013 – a política de lei e ordem se apresenta como um meio de manter a estabilidade. Em Araucanía, a greve dos caminhoneiros de direita é apenas um exemplo de organização mais ampla da direita. As associações empresariais agrárias estão fazendo uma petição ao governo para aumentar a presença policial na área, enquanto ex-militares organizam grupos de autodefesa para proteger suas propriedades, um passo em direção ao tipo de violência paramilitar familiar na Colômbia . Grupos armados como Comando Trizano e APRA organizaram patrulhas com o pretexto de defender a propriedade dos proprietários; eles fazemxx Mapuche e ativistas ambientais para ameaçá-los.

Apesar de a direita descrevê-lo como terrorismo, a ação direta mapuche tem assumido a forma de autodefesa neste contexto de violência estatal e extra-estatal contra as comunidades mapuche. É provável que, quando os instrumentos políticos de mediação e de acordo bipartidário atingirem seus limites, as instituições políticas que buscam governar irão usar os instrumentos de violência do Estado contra aqueles que desnudam o fato de que a representação política não pode resolver as crises de nosso tempo.

Uma reclamação de terras Mapuche em Curacautin.

O potencial: conquistar espaços que são ingovernáveis

O grande sucesso dos candidatos independentes na convenção constitucional criou as condições para as pessoas falarem sobre os candidatos “independentes” como um novo quarto bloco de poder que se opõe às três principais coalizões de partidos políticos. No entanto, não existe um bloco “esquerdista” unificado no poder político; esses delegados independentes vêm de uma variedade de tendências políticas e experiências pessoais. O terreno fragmentado da política institucional apresenta uma situação em que a política de rua pode exacerbar as tensões entre partidos políticos e movimentos sociais. Uma paisagem parlamentar fragmentada pode oferecer uma oportunidade de explorar o desejo dos políticos de serem representantes para criar espaços ingovernáveis.

Mais uma vez, podemos aprender com os anos de Allende, durante os quais a política anti-institucional de esquerda escalou por todo o Chile enquanto no parlamento, as coalizões políticas de Allende disputavam o poder contra os partidos políticos de centro. Antes da presidência de Allende, os movimentos de ocupação de terras proliferaram em todo o Chile, à medida que os camponeses e os pobres urbanos de Santiago confiscavam terras para criar espaços para a vida. Em grande parte, a vitória eleitoral de Salvador Allende foi uma resposta ao massacre policial de posseiros em Puerto Montt durante o governo Frei, uma tragédia que Victor Jara elogiou em sua canção “Preguntas por Puerto Montt”.

Victor Jara: “Preguntas por Puerto Montt.” Jara foi brutalmente torturada e assassinada extrajudicialmente por oficiais do Exército que participavam da ditadura de Augusto Pinochet; seu cadáver foi jogado nas ruas de Santiago crivado por mais de 40 balas. Demorou 42 anos para que seus assassinos fossem acusados. É por isso que lutamos contra a polícia e o fascismo.

Enquanto as promessas de reforma agrária e um sistema socialista de Allende levaram à sua eleição, os camponeses e pobladores continuaram a organizar ocupações de terra autônomas, em vez de esperar que as promessas do governo se tornassem realidade. Uma miríade de grupos revolucionários autônomos e militantes emergiu em oposição ao programa de Allende – o VOP ( Vanguardia organizando el Pueblo ) e o MIR ( Movimiento Izquierda revolucionario ) se tornaram os mais proeminentes, ganhando poder nas favelas que enfrentaram a brutalidade policial antes e depois Eleição de Allende.

Embora a raiva pública contra a violência policial contra invasores tenha levado à eleição de Allende, no governo de Allende, a polícia mais uma vez matou um adolescente enquanto invadia um assentamento em Lo Hermida, Peñalolen. Políticos de esquerda saltaram em defesa da polícia, que havia invadido o assentamento em busca de armas, declarando que os grupos guerrilheiros urbanos eram agitadores externos incitando os posseiros à violência e que, ao lutar contra a polícia, a esquerda militante foi a responsável pela criação do situação em que um adolescente inocente foi morto. Apesar das declarações dos políticos, o clamor público contra a polícia continuou. Depois que foi revelado que a vítima era na verdade um membro do MIR, o MIR foi capaz de desacreditar as acusações de que eram “agitadores externos”. Nem todos os ocupantes eram miristas,nem todos os miristas eram residentes do movimento de ocupação de terras. Nem “internos” nem “forasteiros”, os envolvidos eram, no entanto, residentes profundamente comprometidos com a vida diária e o futuro compartilhado da favela.

Enquanto o partido de Allende ainda se opunha a grupos como o MIR, em 7 de agosto de 1972, Allende compareceu ao funeral do adolescente MIRista morto pela polícia. Este conflito entre a esquerda institucional e não institucional forçou o estado a legitimar o assentamento favelado – um bairro que existe até hoje.

Salvador Allende comparecendo ao funeral do adolescente MIRista assassinado pela polícia.

As histórias de grupos autônomos de esquerda no Chile foram ofuscadas pela nostalgia de Salvador Allende. Este não é o desfecho mais trágico da ditadura de Pinochet, mas é um obstáculo para aprender com o passado. O golpe de Pinochet foi seguido por uma campanha para fazer desaparecer muitos dos revolucionários envolvidos no bairro. Os sobreviventes de grupos como o MIR foram conduzidos à clandestinidade, abandonando suas estratégias anteriores de organização comunitária pelas estratégias de revolta armada anti-Pinochet secreta. Conseqüentemente, nunca saberemos se as tensões internas na Unidade Popular de Allendepoderia ter oferecido oportunidades para criar espaços ingovernáveis. No entanto, pode-se imaginar um momento de conflito em que funcionários eleitos, temerosos das repercussões políticas de despejo de um espaço autônomo – seja uma ocupação, uma praça ocupada ou um acampamento defendendo uma floresta – concedem território a forças autônomas ingovernáveis ​​que permanecem ativas fora o sistema eleitoral.

Potencial: Responder à Crise Construindo Autonomia Interterritorial

Assim como a crise criou as condições para a convenção constitucional ao expor a fragilidade da ordem institucional anterior, a crise também cria as condições para o crescimento de outras tendências não institucionais que poderiam responder a essas crises e desmascarar a fragilidade do próximo institucional. arranjos. A extrema direita não institucional tem a oportunidade de explorar e expandir as crises futuras, ao mesmo tempo que promete segurança e estabilidade se tiver permissão para governar. Contra o paradigma de responder à crise por meio da escalada e da crítica, temos que construir uma força ingovernável, expandindo as práticas de autonomia que fornecem nosso sustento e bem-estar e aos de outros.

Aqui, podemos aprender com os colapsos econômicos que muitas vezes seguem a ascensão dos governos de esquerda, graças às maquinações da elite econômica, e com os sucessos e fracassos dos projetos da era Allende para lidar com crises de produção e logística. Em resposta às sanções de direita e sabotagem, o governo Allende adotou o primeiro sistema de cibernética, o Projeto Cybersyn .

Esse sistema de apoio à tomada de decisão distribuída, recebendo informações econômicas e produtivas atualizadas, buscava auxiliar na autogestão fabril por meio do recebimento de informações dos centros de produção e envio de diretrizes às fábricas após a projeção dos resultados simulados. Em 1972, esse sistema foi capaz de manter a logística do Chile, apesar das greves cada vez mais eficazes dos caminhoneiros de direita.

O limite duradouro de tais intervenções cibernéticas na produção e distribuição é sua incapacidade de dar conta do papel que a economia informal desempenha ao garantir o acesso aos recursos dentro de um território. Quando os pobres urbanos adotam atividades secundárias e vendem produtos na rua como base de sobrevivência, as intervenções cibernéticas os vêem como uma ameaça à estabilidade. Os regimes de direita criminalizam atividades como praga urbana; Os regimes de esquerda fazem o mesmo, rotulando-os de “mercado negro” que tira proveito da escassez. Além da oposição ideológica às soluções cibernéticas para a crise econômica, os projetos que visam estabelecer uma “economia planejada” raramente produzem os efeitos pretendidos porque têm de redirecionar ou desmantelar os sistemas heterogêneos criados por pessoas agindo para garantir seus meios de subsistência.

Hortalizeras, fazendeiros Mapuche que vendem seus produtos nas ruas de Santiago, em resposta a uma batida policial em seu mercado de produtos não autorizado.

Enquanto isso, sob Allende, o Partido Comunista e grupos de esquerda antiinstitucionais começaram a organizar Juntas de Abastecimiento Popular (Conselhos de Sustento Popular, ou JAPs) dentro dos territórios urbanos para garantir o acesso e preços justos para bens básicos. Os vizinhos iriam fazer um balanço do que eles tinham acesso e compartilhar seus recursos disponíveis com suas comunidades. Como Benito Bravo argumenta, essas iniciativas autônomas de ajuda aos bairros proliferam em todo o Chile em tempos de crise. À medida que os grupos de esquerda se envolviam cada vez mais nessas iniciativas de vizinhança, eles atraíam mais apoio por causa de sua atenção e respeito pelas economias informais locais. Por meio dos JAPs, a tomada de decisão coletiva para definir os preços dos bens básicos em cada bairro possibilitou a participação na política material do bairro. No que talvez seja o lado mais sombrio desses conselhos, eles também praticavam uma forma de autodefesa da comunidade, às vezes confrontando violentamente os vizinhos que estavam acumulando mercadorias para vender ou que estavam arrancando os preços da comunidade.

Enfrentando uma nova era de mudança institucional e crise, também podemos aprender com o que as pessoas não fizeram durante as crises dos anos Allende. O projeto cibernético do Cybersyn apresentou uma solução econômica planejada para a produção e distribuição entre territórios, e os JAPs apresentaram um modelo de distribuição autônoma e coletiva de recursos. No entanto, não havia projeto alternativo ou visão que buscasse ligar autonomamente territórios díspares para desenvolver logística alternativa foraa economia. Dentro de cada JAP, o limite de seu poder era o limite de quais recursos poderiam chegar ao território do bairro. Como resultado, não era apenas dependente do projeto cibernético do governo central, mas também enfraquecido pelas mesmas formas duradouras de violência estrutural e desigualdade econômica que criaram a distribuição desigual de recursos em primeiro lugar.

Hoje, devemos buscar desenvolver novos projetos que engendram relações entre os territórios urbano e rural e as formas como as pessoas e os recursos fluem entre eles, para propor uma visão do que pode significar ser autônomo e ingovernável em meio à crise. Tornou-se óbvio que o modelo neoliberal exacerba a desigualdade. A resposta socialista é garantir que os bens sejam redistribuídos para aqueles sem acesso prévio. No entanto, este modelo de redistribuição não pode responder a uma crise de produção em que haja escassez de bens. A forma como a pandemia de COVID-19 perturbou a economia global, causando escassez de bens essenciais como a penicilina e materiais de construção, mostra que nossos projetos políticos correm o risco de ser irrelevantes se dependerem da possibilidade de retorno à normalidade capitalista.

Em um mundo cada vez mais volátil, grupos autônomos e movimentos sociais podem crescer se basearem seus projetos no ponto de partida da escassez, desenvolvendo formas alternativas de trabalhar com as pessoas para atender às suas necessidades básicas.

Conclusão: O caso da Grécia

Sob o Syriza, o governo grego deixou muitas ocupações em paz entre 2015 e 2018. Até certo ponto, o bairro de Exarchia tornou-se uma zona impolutável, com a tropa de choque mantendo distância e os residentes geralmente resolvendo conflitos entre si. Como consequência, em resposta à chamada crise migratória que começou em 2015, os anarquistas foram capazes de trabalhar com os migrantes para ocupar edifícios enormes para abrigar refugiados às centenas.

Impedida de usar toda a extensão de suas capacidades violentas, a polícia grega decidiu empurrar o crime anti-social e o capitalismo ilegal, especialmente a venda e o uso de drogas ilegais, em Exarchia, nos campi universitários e em outros espaços de autonomia na esperança de deslegitimá-los e desacreditá-los . Junto com a propaganda de direita sobre o Syriza e essas zonas autônomas (não muito diferente da cobertura da FOX News da “Zona Autônoma do Capitólio” em Seattle), isso conseguiu fornecer ao governo da Nova Democracia alguns de seus principais pontos de discussão na preparação para as eleições. O Syriza falhou em cumprir a maioria de suas promessas ao público – até porque em uma economia global neoliberal, é muito difícil proteger os cidadãos de um país sem que os cartéis financeiros globais levem seu capital para outro lugar.

Consequentemente, a Nova Democracia venceu as eleições, chegando ao poder com uma plataforma de promessas de esmagar os movimentos anarquistas, ocupantes e de solidariedade de refugiados pela força bruta. Esses movimentos não estavam preparados para isso – os poucos anos de “espaço para respirar” que receberam sob o Syriza não haviam expandido suas capacidades de combate. Na maioria dos casos, os anarquistas gregos não se associavam ao Syriza – mas ainda sofriam com o declínio do apoio público do Syriza.

Indiscutivelmente, a moral da história é que é perigoso obter ganhos por qualquer meio que não seja a própria força de base do movimento, já que você pode interpretar erroneamente a si mesmo como sendo mais poderoso do que você e, conseqüentemente, se tornar o principal alvo do estado quando você estiver menos preparado para isso. Não há substituto para o poder social real. Se estivermos pensando em anos em vez de meses, a questão não é se é possível explorar fraturas no estado para garantir zonas de autonomia, mas sim, quandoSe fizermos isso, como evitaremos que nossos adversários da extrema direita se mobilizem contra nós, especificamente? Como continuamos a construir nossa capacidade de lutar, mesmo sob governos de esquerda – e como podemos garantir que a desilusão popular com governos socialistas não permita que forças de direita tomem o estado e o voltem diretamente contra nós, como ocorreu em Chile e também Grécia?

Essas são questões que teremos que abordar na prática.


Fonte Original: [https://pt.crimethinc.com/2021/05/28/chile-the-hot-potato-changes-hands-but-what-does-victory-for-the-left-mean-for-autonomous-movements]

Tradução: Gilberto Miranda Jr.

Ajude nosso trabalho a continuar

image_pdfPDF Exportarimage_printImprimir

Deixe um comentário...

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: