[Espanha] Limpeza étnica em Sheikh Jarrah e bombardeio israelita sobre Gaza

Mohammed El Kurd é um poeta palestino de 22 anos. Sua história de vida é uma história de ocupação em tempo real. Metade de sua casa, localizada no bairro de Jerusalém Oriental de Sheikh Jarrah, foi ocupada em 2009 por colonos judeus. Na época, ele tinha 11 anos de idade. Desde então ele cresceu com esses homens ao seu lado, que procuram expulsá-lo, sua família e outras 27 famílias no Sheikh Jarrah. O mesmo acontece na área de Silwan com 84 famílias que enfrentam ações de despejo movidas por colonos que reivindicam seus bens. Às vezes, quando Mohammed chegava da escola, os colonos cantavam slogans como “logo você estará dormindo em um depósito de lixo em Ramallah” ou “por sangue e fogo expulsaremos os árabes”. Sua avó, Rifqa, que morreu em 2020 com 103 anos de idade, resistiu durante anos às tentativas de despejo e se tornou um ícone na vizinhança.

No início de maio, a Suprema Corte israelense estava programada para decidir de uma vez por todas sobre os direitos de moradia das famílias do Sheikh Jarrah. Durante esses dias ocorreram alguns protestos – em sua maioria pacíficos – pró-Palestina, o que levou a Suprema Corte a suspender a publicação de sua decisão. Os protestos habituais nos territórios ocupados foram acompanhados por manifestações palestinas dentro das fronteiras de Israel, o que é uma ocorrência rara. Estas manifestações não são organizadas por partidos políticos, mas por jovens ativistas palestinos, comitês de bairro e grupos de base. Eles procuram mostrar que não estamos lidando com um conflito imobiliário entre indivíduos e que a palavra “despejo” não ilustra adequadamente o que pode acontecer. “Isto é deslocamento étnico forçado”, explicou El Kurd a vários veículos de comunicação.

A Limpeza Étnica Palestina e o Cinturão Judaico

Yonatan Yosef, porta-voz dos colonos israelenses no Sheikh Jarrah, parece concordar com El Kurd: “Tomamos casa após casa, toda esta área será um bairro judeu. Ainda não terminamos o trabalho, então iremos para o próximo bairro, e depois disso iremos para outro bairro. Nosso sonho é que toda Jerusalém Oriental seja como Jerusalém Ocidental, a capital judaica de Israel”, explicou ele em uma entrevista a vários veículos de comunicação. Outro colono acrescenta: “Eu vejo isso como a continuação do projeto sionista, o retorno a Zion. O retorno a Sião, às custas dos árabes? Sim, mas nossas instituições também foram construídas às custas dos árabes que aqui viviam. E o próprio Estado israelense”.

A origem do conflito data de 1948, quando o Estado de Israel foi fundado e mais de 700.000 palestinos foram deslocados à força (um episódio conhecido como o Nakba). Em 1957, graças à intervenção da Jordânia, milhares de famílias palestinas foram realocadas para o bairro Sheikh Jarrah. Quando Jerusalém Oriental foi ilegalmente ocupada por Israel em 1967, o governo de Tel Aviv aprovou a Lei de Assuntos Jurídicos e Administrativos, que determinou que as terras em Jerusalém Oriental que tinham pertencido aos judeus (e somente aos judeus) antes de 1948 seriam devolvidas aos seus proprietários se eles as reivindicassem. Os palestinos, por sua vez, seriam deslocados à força, impedidos até mesmo de entrar no Estado de Israel e de visitar as terras de seus antepassados, e desapossados de suas terras, ações que são consideradas um crime de guerra sob o Estatuto de Roma. B’Tselem, principal organização de direitos humanos de Israel, observou em 2019 que o judiciário israelense revogou a residência de mais de 14.500 palestinos de Jerusalém Oriental.

Em uma visita a Jerusalém Oriental em 2002, o então Ministro do Turismo Binyamin Elon observou que o plano estratégico para a cidade era assegurar “um cinturão de continuidade judaica de leste a oeste”.

Em 2021, este cinturão judeu está se expandindo e os territórios palestinos estão encolhendo e se tornando cada vez mais desconectados, tornando impossível a criação de um Estado próprio: a Cisjordânia está fisicamente separada de Jerusalém Oriental pelo muro (o que, nas palavras do historiador Ilan Pappé, transforma a Cisjordânia na “maior prisão da Terra”) e Gaza é formada por municípios divididos por postos de controle militares impossíveis de contornar.

E é neste contexto que os protestos começaram no início de maio contra os deslocamentos forçados em Jerusalém Oriental que se espera que a Suprema Corte autorize.

Com um tom de voz suave e calmo e um bom domínio do inglês, Mohammed El Kurd tornou-se o símbolo da resistência palestina em Jerusalém Oriental durante uma entrevista na CNN. O “jornalista” lhe perguntou: “Você apoia os protestos violentos que surgiram em solidariedade com você e famílias como a sua?” ao que El Kurd respondeu: “Você apoia minha despossessão violenta e a de minha família? Após alguns segundos de incômodo silêncio, o entrevistador repetiu “Eu simplesmente quero saber se você apoia os protestos que irromperam em seu apoio e de sua família”. Kurd respondeu “Eu apoio as mobilizações populares contra a limpeza étnica, sim”.

Os Estados Unidos e a comunidade internacional

A frase “Você apoia minha despossessão violenta e a de minha família?” deu a volta ao mundo. Ela resume perfeitamente a situação que estamos vivendo: limpeza étnica, viva e direta, diante dos olhos da comunidade internacional, que permanece impassível.

As Nações Unidas sustentam, pelo menos oficialmente, que todos os territórios ocupados por Israel desde 1967 são ilegais e insistem em sua retirada de todos eles. Mas sua inação e o apoio expresso dos Estados Unidos significou que Israel pôde operar impunemente e até mesmo proclamar Jerusalém como a capital indivisível de Israel e do povo judeu.

Este é o caso mais recente de colonialismo em nossa história, ocorrendo bem debaixo dos nossos narizes e diante da indiferença do mundo inteiro.

“Morte aos árabes” em Al-Aqsa

Neste contexto de tensões e protestos em Jerusalém Oriental, e no meio do Ramadã, a polícia israelense apreendeu a área de Haram al-Sharif, ou o Santuário Nobre, o terceiro lugar mais sagrado do mundo para os muçulmanos porque é onde se encontra a mesquita Al-Aqsa. Esta mesma área, conhecida como o Monte do Templo, é também de grande importância para a fé judaica, pois é o local do Templo do Rei Salomão, destruído pelos babilônios, e há anos diferentes grupos extremistas judeus vêm disputando a administração deste local sagrado.

No dia 10 de maio, Dia de Israel, eclodiram confrontos em Haram-al-Sharif depois que um grupo extremista judaico supremacista organizou uma marcha na qual os participantes cantaram “Morte aos árabes” e alguns palestinos atacaram os judeus ortodoxos. Os incidentes terminaram com acusações policiais e tiroteios, mesmo entrando na mesquita e atacando adoradores orando no meio do Ramadã.

Atentados a bomba em Gaza

No dia seguinte às acusações na mesquita, o Hamas lançou foguetes em direção a Jerusalém Ocidental. E esta ação e a escalada das tensões foi seguida por bombardeios israelenses em Gaza contra, supostamente, os alvos do Hamas. Evidentemente, os dois lados do conflito não são simétricos e a sofisticação e letalidade das bombas israelenses é notavelmente superior à do Hamas. Não é por nada que os Estados Unidos fornecem a Israel 3,8 bilhões de dólares em apoio anual ao armamento.

Esses confrontos resultaram em mais de 254 palestinos mortos (mais de 60 deles crianças), mais de 1.700 feridos e na destruição de numerosos edifícios em Gaza (incluindo escritórios de imprensa). Por outro lado, do lado israelense, 12 pessoas foram mortas, incluindo uma mulher indiana e dois homens tailandeses.

O fato de que, apesar de ter armas inteligentes, tantos civis foram mortos em Gaza nos mostra, mais uma vez, que o Estado de Israel não se importa com as vidas palestinas.

De acordo com números da ONU, de 2008 a 2020, 5.590 palestinos foram mortos por ataques israelenses e 115.000 feridos. No mesmo período, houve 251 mortes israelenses por ataques palestinos e 5.600 feridos.

Os Estados Unidos e Marrocos: aliados de Israel

Nas últimas semanas vimos manifestações de apoio à Palestina em cidades ocidentais e assistimos a preciosos atos de solidariedade, como o fato de que os trabalhadores portuários no porto de Livorno impediram que um navio carregado de armas com destino a Israel partisse.

Mas também temos visto declarações miseráveis da direita e da extrema direita europeia expressando seu apoio claro e incondicional a Israel.

Quanto às posições oficiais dos Estados, vale ressaltar que durante os bombardeios em Gaza, os EUA foram o único poder no Conselho de Segurança da ONU a vetar um pedido de cessar-fogo.

Mas a posição marroquina é mais intrigante. Como explicamos há alguns meses, o Marrocos, que sempre apoiou oficialmente a causa palestina, estava aberto ao reconhecimento do Estado de Israel em troca do reconhecimento pelos Estados Unidos de sua soberania sobre o Saara Ocidental, com o que Donald Trump concordou. Com a chegada de Joe Biden à presidência, sua posição não mudou em relação à de seu predecessor e os povos palestinos e saarauí foram mais uma vez abandonados e geminados pelo infortúnio.

Em meados de maio, o regime marroquino abriu suas fronteiras em Ceuta para coincidir com a ofensiva israelense depois que se descobriu que o governo espanhol havia dado assistência médica ao líder da Frente Polisario, Brahim Gali. O Marrocos chantageia a Espanha e a Europa pela causa saarauí a fim de pressionar Biden também, em troca de sua mediação na Palestina e sua posição na África. A ditadura de Alawi oferece ser um enclave para as tropas americanas e um aliado contra a influência chinesa no continente.

Naturalmente, Rabat também quer enviar uma mensagem a Madri e Bruxelas de que pode criar um problema de migração para eles sempre que quiser. Os países europeus estão pagando ao Marrocos, como fazem à Turquia ou à Líbia, para serem nossa brutal polícia de fronteira. Em 18 de maio, o governo espanhol aprovou o pagamento de 30 milhões de euros ao Marrocos para este fim, enquanto a Corte Nacional espanhola reativou um processo de genocídio contra Brahim Gali após uma queixa apresentada por um confidente do Rei de Marrocos.

As potências ocidentais, a fim de manter sua hegemonia e poder em áreas remotas da África e da Ásia, colocaram-se a serviço daqueles que sistematicamente violam os direitos humanos. E aqueles que sofrem as consequências são os mais fracos.

Este artigo foi escrito com informações publicadas por Olga Rodríguez e Javier Gallego em diferentes artigos publicados em eldiario.es.

Fonte Original: https://acracia.org/limpieza-etnica-en-sheikh-jarrah-y-bombardeos-israelies-sobre-gaza/

agência de notícias anarquistas-ana

Fonte: [https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/06/04/espanha-limpeza-etnica-em-sheikh-jarrah-e-bombardeio-israelita-sobre-gaza/]


 

Apoie esse trabalho. Envie um PIX de qualquer valor para o email gambiarraminidoc@cryptolab.net

Ou escolha outra modalidade em https://gambiarraminidoc.org/apoie/

Doe também pelo PayPal

 

image_pdfPDF Exportarimage_printImprimir

Deixe um comentário...

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: